Niobio
EUR
USD

0

por Caio Pimenta

10 Peças icônicas que deveriam ser a base do seu guarda-roupas

Em 30 segundos! Existem várias peças atemporais que compensa ter no guarda-roupa. Separamos 10 delas:
1. Calça Chino
2. Calça Jeans
3. Camiseta Branca
4. Camisa Polo
5. Blusa Breton (Saint James)
6. Blusa de Moletom
7. Jaqueta Jeans
8. Jaqueta Bomber
9. Jaqueta de Couro
10. Parka e Jaqueta de Campo

Roupas clássicas possuem estilo duradouro, são constantemente reinterpretadas e atualizadas. O guarda-roupa feminino é recheado delas, mas é provável que o masculino supere em quantidade. Roupas femininas costumam ser um produto da moda, passam por frequentes mudanças e se reinventam a todo momento. As masculinas, apesar de também serem produtos da moda, tendem a mudar apenas nos detalhes, de maneira evolutiva. Melhoram e avançam ao invés de virar o mundo de cabeça para baixo. Se aproximam mais de variações de estilos bem definidos do que um completamente novo.

“Conservadorismo na moda tem sido a marca de um cavalheiro." John Sims

Toda peça do guarda-roupa masculino teve uma primeira do seu tipo. Criada por uma marca para um uso específico, do qual todas as seguintes evoluíram. Estes itens são exemplos do mais puro senso de design. Não foram feitas para chamar a atenção, mas sim para resolver um problema, tinham uma função. Resolveram demandas do ambiente de trabalho, esporte e militar. Fizeram isso tão bem que estabeleceram padrões e geraram inúmeras cópias.

Estas peças foram muito bem abordadas pelo jornalista John Sims no seu livro Ícones da Moda Masculina. Escolhi a dedo algumas das peças que encaixam melhor ao contexto brasileiro para colocar nesta lista. É bem provável que você tenha alguma delas.

1. A Calça Cáqui

Calça chino, de sarja, brim, etc. Todos são nomes para uma versão genérica da famosa calça cáqui. É muito associada ao Exército Americano durante a Segunda Guerra Mundial e o estilo preppy dos anos 50, mas sua história tem mais de um século.

Uma das versões é que em 1845, durante uma incursão na Índia, os soldados britânicos começaram a colorir seus uniformes brancos com lama, poeira, café e curry para se camuflar e deixar de ser um alvo fácil. Sendo então chamada de calça khaki (colorida por poeira em Urdu). Apesar de várias outras histórias para essa peça icônica, o importante é que foi adotada pelo exército - inicialmente britânico - de diversos países pelas suas vantagens de conforto, regulação de temperatura e camuflagem.

Para reduzir custos de produção e transporte foi originalmente fabricada na China. Surgindo o nome Chino para especificar esse modelo de calça casual de algodão que se tornou comercial na virada do século XX. Deixando o nome Cáqui para especificar apenas a versão com uma cor parda. (mais imagens no Pinterest) 

2. O Jeans

Enquanto a calça cáqui surgiu de um contexto militar, o jeans, talvez a peça mais icônica do século XX, veio do ambiente de trabalho. Da necessidade de uma peça que fosse resistente ao ponto de suportar todo o stress de uma rotina de trabalho braçal. O modelo 501, invenção de Jacob Davis e Levi Strauss em 1873, se mostrou perfeita para mineradores, caubóis, construtores ferroviários e lenhadores. 70 anos depois já era símbolo geracional de rebelião individual. Deixou de ser um item para trabalhadores e se tornou peça essencial para motoqueiros, roqueiros, pacifistas e, principalmente, todo homem e mulher. (mais imagens no Pinterest)

3. A Camiseta

Tradicionalmente branca, a camiseta que nós conhecemos foi por muito tempo uma roupa íntima masculina. A roupa de baixo costumava ser uma peça única cobrindo todo o corpo, mantendo-o protegido e aquecido. Ela depois se separou em duas peças, mas foi só em 1913 que o encontro da marinha americana e a britânica resultou nesse nosso clássico.

Os americanos já tinham sentido a necessidade de uma peça que desse liberdade de movimento aos marinheiros. Cortaram as mangas e escolheram a cor branca, por ser mais barato de fabricar, combinar com o uniforme da época e destacar sujeiras, ajudando na disciplina e higiene dos marinheiros. Porém era feita de lã, esquentava e demorava muito tempo para secar. Os britânicos usavam em destinos tropicais uma peça de manga comprida leve, confortável, prática e feita de malha de algodão. Ao se encontrarem nas trincheiras surgiu a ideia de misturar o tecido britânico com o modelo americano, dando nascimento a t-shirt branca que conhecemos hoje.

A Segunda Guerra deu popularidade à camiseta. Ela saiu do ambiente militar e foi para o público comum. Virou símbolo de heroísmo e masculinidade. Antes disso, usá-la de maneira aparente era socialmente inaceitável, mas as imagens dos soldados usando-as ajudou a diminuir a resistência. Na década de 50 se tornou símbolo da adolescência e rebeldia do rock 'n’ roll. Popularizada por figuras como Marlon Brando, James Dean e Chet Baker. (mais imagens no Pinterest)

4. A Camisa Polo

Essa é a primeira peça da lista que veio do esporte, das quadras de tênis. No passado, as regras de vestimenta da categoria eram muito rigorosas. Homens jogavam com calças de flanela e camisas com as mangas dobrada. Foi então que o vencedor de 7 Grand Slams, René Lacoste, usou pela primeira vez uma camisa de manga curta, feita em um tecido de algodão leve e respirável chamado petit piqué. Foi um sucesso nas quadras, dando nascimento à famosa marca do jacarezinho e popularizando a peça. Devido ao colar, saiu do esporte e foi para o cotidiano por ser vista como uma alternativa mais formal à camiseta. Cruzou limites sociais e representou ao longo do tempo diversas subculturas: os mods britânicos, os garotos do hip-hop em Paris, os skatistas da costa oeste americana e as classes mais altas de Nova Iorque. (mais imagens no Pinterest)

5. A Blusa Breton (Saint James)

Quando o Governo Francês resolveu, em 1858, adotar a blusa breton como uniforme oficial da marinha os responsáveis nem imaginavam que se tornaria uma representação do povo francês. No início, tinha um caimento mais solto no corpo, mangas 3/4 e exatas 22 listras horizontais, para facilitar a encontrar qualquer marinheiro que caísse na água. Diferentemente da imagem subversiva das roupas militares, a blusa Breton foi adotada e percebida desde o início como um item chic. Se tornou fundamental no estilo de famosos como Pablo Picasso, James Dean, Kurt Cobain, Andy Warhol, Marlon Brando, Jean-Paul Gaultier e Jean-Paul Sartre. (mais imagens no Pinterest)

6. A Blusa de Moletom

No início dos anos 20 os atletas usavam um suéter de lã, geralmente cinza, antes e depois do treino para se aquecer. Obviamente ele precisava ser lavado com frequência, porém, além de demorar a secar, encolhiam no processo. Isso mudou no fim da década, quando a empresa Russell fez o primeiro moletom. Simples, solto no corpo, macio e ainda cinza, o agasalho foi um sucesso. Pouco tempo depois saiu do ambiente esportivo e o tecido começou a ser usado para fazer diversas outras peças do vestuário masculino e feminino. (mais imagens no Pinterest)

7. A Jaqueta Jeans

O sucesso da calça jeans estimulou a criação de diversas outras peças de denim. A jaqueta jeans, muito provavelmente (o terremoto de 1906 em São Francisco destruiu todos os arquivos), surgiu na década de 1870. Durante muitos anos foi item garantido no guarda-roupa dos trabalhadores, principalmente rurais. Virou símbolo do caubói americano. Com o passar do tempo foi conquistando os intelectuais, roqueiros e artistas, pavimentando seu caminho para se tornar um ícone.

Caso se interesse em comprar uma, verá que existem inúmeros modelos e marcas. Se fosse para dar um conselho focaria em 3 estilos (mais imagens no Pinterest):

  1. Jeans cru (sem nenhuma lavagem) com caimento mais curto a ajustado no corpo, remetendo às famosas Levi's 506, 507 e 557
  2. Jeans claro, tanto com caimento mais tradicional como larguinha
  3. A famosa Lee Storm Rider, com colarinho de veludo pardo. Modelo imortalizado por Kirk Douglas, Paul Newman e Marilyn Monroe.

8. A Jaqueta Aviador (Bomber)

A Bomber Jacket e a Flight Jacket são jaquetas diferentes que ao longo do tempo acabaram sendo chamadas pelo mesmo nome. Surgiram da necessidade de um uniforme para pilotos que, em período de guerra, acabavam enfrentando temperaturas extremas dentro de seus aviões. A Bomber, originalmente feita em couro de cabra, foi desenhada para a Segunda Guerra Mundial em 1930. Já a Flight Jacket, teve as principais versões nas décadas de 50 e 60, utilizando materiais mais funcionais.

São jaquetas de diferentes tempos, materiais e detalhes, mas todas representam o estilo aviador. Independentemente de qual você preferir, todas são belas, icônicas e atemporais. Foram consagradas no corpo de diversos atores, dentre eles Frank Sinatra. Será fácil encontrar nos shoppings versões delas pelo nome Bomber. (mais imagens no Pinterest)

9. A Jaqueta de Couro (Biker)

Em 1928, um distribuidor da Harley-Davidson de Long Island contratou a empresa do filho de imigrantes russos, Irving Schott para desenvolver uma jaqueta de couro com zíper para proteger os motociclistas do tempo e de eventuais quedas. Nasceu aí, a jaqueta Perfecto, com diversos detalhes bem característicos. Na década de 50 se tornou um símbolo de anarquia e rebeldia, representado pelo personagem de Marlon Brando no filme O selvagem (The Wild One). Essa reputação conquistou as estrelas do rock, sendo, inclusive, o uniforme oficial da banda Ramones. Ao longo dos anos a Perfecto sofreu algumas modificações, mas ainda é possível comprar modelos bem semelhantes às do passado. Perfecto ou não, a jaqueta de couro ainda carrega muito significado. (mais imagens no Pinterest)

10. A Parka Fishtail e a Jaqueta de Campo

Tanto a Parka Fishtail quanto a Jaqueta de Campo (Field Jacket) compartilham muitas semelhanças em sua história. Foram criadas com o mesmo propósito: agasalhos funcionais e flexíveis para as mais diversas situações e temperaturas. Possuíam diversos acessórios para adaptar a roupa ao momento. Foram uniformes de duas importantes guerras, Coréia e Vietnã. E o principal, entraram no cotidiano das cidades de maneira semelhante.

Após servir durante a guerra, era comum o soldado encontrar seu país em uma situação econômica não favorável. A dificuldade financeira somada aos recursos escassos levava os veteranos (e seus filhos) a utilizarem seus antigos uniformes no dia a dia. O constante uso popular, somado ao custo baixo devido ao excessivo de produção militar tornaram a peça símbolo de diversos movimentos. No caso da parka, nos anos 50 e 60 foi símbolo do movimento mod, presente no álbum conceito do The Who, Quadrophenia. Já a jaqueta de campo, ironicamente, se tornou o símbolo do movimento contra a própria guerra do Vietnã e foi imortalizada pelo personagem de Robert De Niro em Taxi Driver. (mais imagens no Pinterest)

Processing...

adicionado com sucesso.

adicionado com sucesso.